28/05/2010

27/05/2010

como desenhar um círculo perfeito

Também gostava de desenhar um círculo perfeito mas não consigo.

26/05/2010

liberdade

Gostava de ter um cão, lembro-me da antiga casa da minha avó com quintal e de um rafeiro de nome Caim que saltava de alegria sempre que eu chegava da escola. Apesar de ser um animal bem disposto e até meigo não era um daqueles cães amaricados pelos donos e, também, nunca virava a cara à luta se fosse caso disso, principalmente com o pastor alemão da vizinha em frente que era irascível. O tempo passou e morreu de velhice era ainda eu uma criança, como vivi sempre em apartamentos pequenos e com muitos humanos atarefados nunca quis ter outro Caim, acho uma violência para os humanos e ainda mais para os animais, depois começaram a aparecer as mariquices dos veterinários mais o não poder comer restos nem roer ossos, as ruas inundadas de dejectos que são cagalhões mesmo, as trelas e sei lá que mais, com tudo isto a vontade de ter um cão foi ficando reduzida à liberdade que nunca conseguiria cortar ao animal. Talvez um dia, se conseguir o espaço que um cão merece.

25/05/2010

para adoptar

Mais informações aqui: http://universosdesfeitos-insonia.blogspot.com/2010/05/flora-companhia.html

21/05/2010

road to nowhere

Precisas de uma estrada que te leve, não importa o lugar, não interessa o caminho e muito menos a chegada, precisas de ir, se o vento te levar melhor.

19/05/2010

história

Meia duzia das muitas bandas que vi nascer e algumas também morrer logo de seguida na incrível. O baterista deste último teledisco é o Alfredo, que lá estará com a PA e a fazer o som de palco.

rock in crível

O papa in Rio já foi, agora vem o Rock in Rio mas, também, vejam só, o Rock in Crível, o que não sei bem o que é mas não interessa, estarei lá a tocar nessa sala incrível onde, desde os 11 anos, já vi centenas de concertos, alguns muito bons. O cartaz está mesmo lindinho, ou não tenha sido o meu mano a fazer. Agora os meus 3 ou 4 leitores que mexam o cu e venham até lá nesse dia.

14/05/2010

banda sonora desta semana

Tudo foi dito cem vezes E muito melhor que por mim Portanto quando escrevo versos É porque isso me diverte É porque isso me diverte É porque isso me diverte e cago-vos na tromba Boris Vien Go straight to hell boys A lot of people wont get no supper tonight A lot of people wont get no justice tonight After all this time to believe in jesus After all those drugs I thought i was him Run rabbit run Strike out boys, for the hills I can find that hole in the wall And I know that they never will I fought the law and the law won I fought the law and the law won I fought the law and the law won I fought the law and the law won I fought the law and the law won I fought the law and the law won I fought the law and the law won Should I stay or should I go now?

13/05/2010

especulações

Desde que fechei a minha empresa que não estava numa gráfica como estive hoje, junto da máquina de impressão a sentir o cheiro da tinta e do papel, ainda por cima uma bomba a seis cores a imprimir como se não existisse amanhã. Se por via das emoções, os cheiros mas também o ritmo compassado da impressão, vieram as saudades do tempo em que fazia os livros para a Assírio & Alvim, a colecção Rei Lagarto com o José Afonso, o Frank Zappa, a biografia de Jim Morrison "Daqui Ninguém Sai Vivo", ou da colecção O Imaginário com livros da Sylvia Plath, do Boris Vien, Tennessee Williams e muitos mais, pelo lado racional não consigo esquecer os problemas com os vigaristas que não pagavam, com a velocidade dos publicitários que só funcionavam com a força da coca e, pior ainda, com a prepotência de um Estado mau pagador, cheio de cunhas e travessas para se conseguir um trabalho e, ainda muito pior, com uns serviços de justiça e de finanças que não lembram ao melhor de Kafka. Por tudo isto, quando me chegam com a história do esforçar mais, eu respondo que sempre me esforcei em quase tudo o que faço, só que nos últimos 6 anos faço-o só para mim e não lhes dou nada.

10/05/2010

32

Este título que o SLB acabou de ganhar soube a pouco para uma época em que o futebol praticado merecia também a conquista da Liga Europa. Este Benfica foi impressionante, até na forma como, nesta última jornada, soube dar uns minutos de esperança a uns quantos portugueses, não só para a conquista do título como da bola de prata. Se o título é inquestionável, já a bola de prata assentaria bem a Falcão, excelente jogador, não fosse o sadismo de Cardozo em marcar o golo final com o pé direito.

06/05/2010

we don’t care about music anyway

Realizado por Cédric Dupire e Gaspard Kuentz, este filme documentário, foi, no mínimo, desconcertante. Dizer que este conjunto de artistas, músicos e performers japoneses que o filme dá a conhecer são bizarros e estranhos, seria injusto e, até, descontextualizar não só o trabalho que realizam mas, sobretudo, a vertente social, cultural e humana que rodeia esse trabalho. Numa sociedade altamente conformista e mecanizada, numa cidade onde milhões de pessoas têm acesso a tudo mas em que esse tudo é tão previsível, tão plástico, tão vazio de significado e, ao mesmo tempo, tão feio, tão sujo, tão barulhento, o ruído, muitas vezes ultrapassando os limites do suportável, torna-se uma catarse para estes artistas. Tudo serve para fazer esta espécie de música que mais será um furacão de sons, desde microfones de contacto junto do coração e de outras partes do corpo, até guitarras tocadas em amplificadores com a distorção e o volume no máximo, acompanhados de gritos ensurdecedores. Chamar vanguarda ou qualquer outro nome à ruidosa electrónica de Numb, ao turntablism de Otomo Yoshihide, aos batimentos cardíacos de Yamakawa Fuyuki, pode ser uma forma de rotular o trabalho destes artistas mas, como qualquer rótulo,torna-se redutor. Os realizadores fazem um trabalho extraordinário de contextualização, as imagens tornam-se um forte suporte que dinamiza todo o filme, com sequências quase perfeitas entre a trama sonora e a vivência de uma cidade assustadoramente grande, aparentemente ordenada, mas, também, feita de sujidade, lixo e ruínas, que muitas vezes nos escapa de um olhar mais atento na rapidez com que desejamos viver hoje em dia. Como ironia, no fim e depois de suportar mais de uma hora de ruídos infernais, surge uma peça pelo violoncelo de Sakamoto Hiromichi com uma melodia quase hipnótica e que me deixou completamente arrepiado. O Sakamoto Hiromichi é o que toca o serrote, pena não encontrar a música final do filme.

05/05/2010

benjamim

Calmamente dentro do carro estacionado na estrada de Benfica, enquanto esperava que acabasse o treino do meu puto, relia o Na Colónia Penal do Kafka, quando reparei num pombo que andava só à bicada aos outros que se aproximavam, devido à Primavera ainda pensei que fosse algum ritual de acasalamento tipo toma lá uma biqueirada e agora amoxa que vamos fazer pombinhos, mas passado uns minutos lá percebi que o cabrão do pombo, que era grande, não queria era deixar os outros tocarem num generoso pedaço de pão que ia bicando quando não bicava nas penas dos outros desgraçados, isto tudo na parte literária em que a máquina se descontrola e também começa a bicar o oficial por tudo quanto é lado, aquilo confundiu-se tudo na minha cabeça e subiu-me uma vontade de agarrar no pescoço daquele pombo e torcer assim só um bocadinho até partir e dizer-lhe, Ó Van Zeller dum cabrão e se deixasses os outros comer um bocadinho também, mas depois reflecti e cheguei à conclusão que o melhor era mesmo ir ver o treino e, quem sabe, tirar umas férias naquele hotel do Miguel Bombarda. É que nem todos os pombos se chamam Benjamim. http://universosdesfeitos-insonia.blogspot.com/search/label/A%20Cidade%20a%20Tossir

sem lei mas com muita ordem

Entre estes dois textos, tirados daqui http://abrupto.blogspot.com/ Há dias vinha de carro na A1 por volta de Leiria quando o para-brisas foi atingido por aquilo que pensei ser areia ou pequenas pedras, projectadas pelo autocarro laranja de dois pisos que ia à minha frente. Mas logo percebi que era outra coisa: uma garrafa de vidro tinha sido atirada do autocarro para um carro que o estava a ultrapassar e os estilhaços tinham atingido o meu. Verifiquei então que qualquer carro que tentava ultrapassar o autocarro era bombardeado com garrafas de cerveja, latas e outros objectos, tudo isto a velocidades de autoestrada, mais ou menos à volta de 120 quilómetros hora. Vários carros ziguezaguearam na estrada e quase atingiram o separador, o que significaria um acidente muito grave, com muito possível invasão da faixa contrária. Telefonei de imediato à GNR, identificando o autocarro com a matrícula, em que área da autoestrada isto estava acontecer e insistindo no perigo em que todos estavam. Informei também que vira um carro da polícia na área de serviço imediatamente atrás e que não seria difícil interceptar o autocarro. Depois mantive-me atrás e pude assistir impotente a vários carros atingidos por garrafas e latas, um deles que só por milímetros não perdeu o controlo. Passado algum tempo vi o autocarro estacionar numa zona de repouso existente, que não faz parte de nenhuma área de serviço. A polícia estava à entrada e vários carros atingidos tinham parado a protestar com o que se estava a passar, perante a pasividade policial que estava mais preocupada em que os carros que pararam voltassem à autoestrada do que em dirigir-se ao autocarro que, entretanto, tinha parado mais à frente, na maior das normalidades. Parei e falei com os agentes da GNR e com o graduado e fiquei surpreendido pela indiferença geral que mostravam, como se fosse a coisa mais habitual do mundo. Disse-lhes que tinha testemunhado o que se passara e que estaria disposto a fazer queixa, embora os danos tivessem sido pequenos. Mais indiferença, como se nada se passasse. Resolvi seguir em frente mas, em vez de sair de imediato para a autoestrada passei junto do autocarro de onde dezenas de pessoas tinham saído. Sem haver um único agente perto e como se a paragem fosse normal e logo a seguir partissem de novo, o que muito provavelmente foi o que aconteceu. Apercebi-me então que se tratava de uma claque de futebol. Vários dias passados não vi nenhuma notícia sobre o que se passou, e todos me dizem que é comum acontecerem coisas deste tipo na mais total impunidade. Um dia morre alguém e quero ver as explicações que nos vão ser dadas. ... tem gerado em vários países, Portugal é um deles, um surto de imbecilidade considerável. À falta de anticlericalismo popular, há agora uma nova forma de anticlericalismo intelectual de parte da esquerda « fracturante ». Enquanto não houver um Papa que seja mulher, lésbica, negra, de preferência não crente, e que vote nos EUA no Obama, os Papas, em particular este, são alvos preferenciais. E este acirra os ânimos de forma muito especial porque é branco, alemão, conservador, teólogo, e conhece bem demais a impregnação da doutrina cristã pelas variantes na moda desde os anos sessenta de « progressismo » esquerdizante. A absurda intolerância dos « fracturantes » exerce-se então em toda a sua amplitude. e este tirado daqui http://lishbuna.blogspot.com/2010/05/mas-e-que-isto-nao-ha-meio-de-me-entrar.html "Por terra, pelo mar ou pelo ar. De 11 a 14 de Maio, ande por onde andar, o Papa Bento XVI não dará um só passo em que não tenha milhares de olhos a vigiá-lo. Milhares de armas, de todas as forças de segurança do país e até das Forças Armadas, estarão prontas a proteger aquele que é considerado um dos maiores símbolos mundiais da paz. (...) A julgar pelos meios operacionais envolvidos pela PSP (a força policial mais representada), admite-se que o total de pessoas arregimentadas possa rondar as 8.000. (...) Nas ruas por onde passar o Papa não serão permitidos carros estacionados, estando prestes a iniciar-se a distribuição de panfletos anunciando à população que serão autuados todos os veículos que não forem retirados no prazo previsto". Existe algo que me escapa, mas ainda não sei bem o que é.

01/05/2010

feira da ladra

Um dia desta semana, terça acho eu, fui à feira da ladra com a minha filha para fazer uma reportagem fotográfica, estas são algumas das preciosidades que lá encontrámos, e não falo só das coisas. fotografias: Mafalda Paiva Além de mais uma multa, que espero o grande papa com a ajuda da nossa senhora me possam perdoar, trouxe um cheiro irresistível nas narinas.