20/10/2008

blogs

Estão aí duas moradas novas, a única real tradição viva e casario do ginjal, o primeiro dedicado aos surrealistas, o segundo fala de muitas coisas, mas principalmente do meu ginjal que, pelos vistos, também é do Luís Milheiro. Este foi escrito no ginjal há anos que não lembro. I Não sei para onde vou Sei aquilo que tenho Mas sei também aquilo que não tenho Olho o rio quase parado Correndo lento para o mar Sem força, sem chama Revejo-me nesta imagem E entristeço ainda mais Sinto a minha vida parada Ao menos o rio vai para o mar Eu, não sei para onde vou... Não sei para onde vou Sei aquilo que sou Mas sei também aquilo que não sou Não sei para onde quero ir Nem sequer sei se quero ir O rio sabe para onde vai E devagar chega ao mar Aí transforma-se e fica alegre e pujante Cheio de vida Eu, não sei para onde vou Nem sei onde vou chegar!... II Por vezes os rios têm pontes As pontes são úteis E por vezes bonitas Os rios têm barcos E todos os barcos são bonitos Eu sei aquilo que tenho E o que não tenho Mas também nunca achei útil ou bonito Os rios sabem onde nascem Mas também sabem onde acabam Eu, só sei onde nasci. Por vezes a vida tem aventuras As aventuras são úteis E por vezes bonitas A vida tem sonhos E os sonhos são sempre bonitos Eu sei aquilo que sou E o que não sou Mas também nunca achei útil ou bonito Os rios acabam no mar E o mar é vida Eu, só sei onde nasci.

2 comentários:

Luis Eme disse...

bonito poema, NP.

o Ginjal é especial...

np disse...

a paisagem ajudou Luís.