12/05/2009

mais uma viagem

Ontem, em mais uma viagem a Coimbra, um pouco mais do mesmo. Se sem chuva a nossa condução é o que é, com tudo molhado as estradas tornam-se autênticas pistas de skarros de choque, o que sendo mais perigoso é também mais divertido, então se for com um "Chama o António" em versão disco-feira ainda melhor. Apesar de tudo passei fino, por entre skarros desalmados e umas coisas estranhas de colete amarelo ou laranja a passar nas pontes, que a minha namorada garantia serem peregrinos, a quem eu contradizia que não eram peregrinos nenhuns, mas sim devotos, em marcha pelo poder, daquela senhora daquele partido novo, acho que a Nossa Senhora Laurinda. Enfim, por volta da uma e qualquer coisa já estava sentado num restaurante simpático em Pombal, onde gosto de regressar, a comer uma açorda de ovas e a beber um Alento muito bom, sempre tinto seja peixe ou carne, mariscos já é outra conversa. Como é hábito o serviço naquele espaço é eficiente e com grande simpatia, mas ontem até os clientes eram de uma amabilidade extrema, ao que não devia ser alheio o facto de a minha namorada andar de andarilho, ainda em recuperação de uma cirurgia que fez há um mês, e ao facto de terem todos ar de revolucionários do tal partido e, pensarem que, por causa do andarilho, também éramos devotos em marcha pela Nossa Senhora Laurinda na procura de um qualquer milagre. Mas não, como não somos interesseiros, íamos só ao nosso senhor Prof. Dr. Abel Nascimento mostrar umas radiografias para saber se podia começar a fisioterapia. Acabado o almoço, com algum Alento mas não muito para não sair da estrada, resolvi fazer o restante caminho pela Nacional 1, também conhecida pela Scary Movie Road. Nisto, desato a ver centenas de revolucionários com paus, cajados, todos fardados a rigor, com aquelas cores berrantes para quê armas, a vitória é nossa, aliás deles. Ainda pensei que tentassem converter umas senhoras muito simpáticas que estavam, calmamente sentadas, a ver os carros passar só para os cumprimentar mas não, a fúria revolucionária era tal que não paravam por nada. A minha namorada insistia com os peregrinos, e coitados, e que não tenho fé mas respeito, e que os condutores tinham de ter cuidado redobrado e mais não sei quê. Eu só lhe dizia que não respeito muito o respeito, defeito da geração reguadas, e que se acontecesse algum despiste triste, não seria mais que a vontade de uma nossa senhora qualquer, mas que tinha fé que não, pelo menos comigo a conduzir. E consegui, a minha fé foi maior que qualquer vontade macabra de uma nossa senhora, cheguei a Coimbra pouco depois.

2 comentários:

Anónimo disse...

Não compreendo a hipócrisia de Fátima. Apesar de andar com o andarilho e de na fisioterapia ver situações muito tristes, o facto destas realidades existirem, logo à partida, não abona muito a favor da N. Sra., seja ela qual for.
Márcia Soares

np disse...

Esta hipócrisia, e outras, têm alimentado muita gente.
E o andarilho é só mais uma semana ;)