09/02/2009

honestidade onde andas?

Este sábado tive mais uma confirmação do Portugal de hoje. Os meus meninos do andebol tinham um mini-torneio marcado no colégio Salasiano-Oficinas de S. José, nos Prazeres. Acordar às 8 da manhã, tropas reunidas no pavilhão do Almada às 8.45, junto ao Cristo-Rei, miúdos e pais com carro, que o Almada não tem dinheiro para autocarros, e lá fomos. Em 20 minutos chegamos ao destino, entramos e ninguém nos recebe, encontramos o colégio S. João de Brito, que também não percebiam o que se passava, a equipa da casa ou responsáveis não se deixavam ver. Depois de uns minutos à nora lá consigo encontrar alguém que me dá o número do coordenador das instalações desportivas, telefono e peço indicações. Resposta, quais indicações não temos nada agendado, nem sequer temos andebol e eu com o fax da Associação de Andebol de Lisboa com tudo marcado, tento ligar para a Associação mas é sábado. Espantado, mas não muito, digo aos pais e miúdos que, tristes, regressam a casa. Já noite, telefona-me um pai a dizer que no site da Federação está marcado outro mini-torneio domingo às 11 horas no pavilhão do Ginásio do Sul com o clube da casa, o Almada, o Sporting e o Coop. Escola, já tarde e presumindo nova confusão, porque só costuma existir um torneio por fim-de-semana, não convoco ninguém. Domingo de manhã vou até ao pavilhão do Ginásio, 5 minutos a pé, e deparo-me com a comitiva do Sporting, todos equipados a rigor na rua com o pavilhão fechado e fechado continuou, o Ginásio sei eu que tem andebol mas não apareceu ninguém, provavelmente foram enganados para outro lado, tal como nós no dia anterior. Não satisfeito, telefono e procuro informações com dirigentes mais velhos, resposta, estes gajos recebem subsídios para organizar estes torneios e como em todos os subsídios existem prazos a cumprir, então fazem tudo em cima do joelho originando confusões como a deste fim-de-semana. Esclarecido de algo que já suspeitava, reduzi-me à insignificância de quem se dedicou a treinar os putos, sem ganhar um tostão, só porque sim. Assim, pergunto àqueles que dizem, num contexto mais vasto, que o único caminho possível é a honestidade. Qual honestidade?

2 comentários:

hmbf disse...

É o tipo de coisa que me deprime. A razão disso chama-se incompetência. A pior das incompetências, aquela que é gerada pela ausência de disponibilidade e por uma absoluta falta de respeito pela dedicação dos outros. É de uma frustração medonha.

etanol disse...

também fico deprimida com este tipo de acontecimentos.
Maria João